11.11.2017 // comportamento

People!! Prazer imenso estar aqui.
Nesse primeiro post vocês irão conhecer um pouquinho de mim.
Bom… tenho 26 anos e 17 anos da minha vida, estive com  a companhia da minha cachorra “Lindinha”, ou, apenas “Dinda” para os mais íntimos ^^.
Sim!! a Lindinha tem 17 anos… é uma senhorinha vira-lata muito linda, mas que infelizmente anda apresentando problemas da Idade.

mãe cachorro velho

 

Encontrei a Lindinha em 2010, quando eu morava em Barretos (interior de SP), ela estava sendo cuidada, na medida do possível, por uma moça que vendia biju durante a Festa do Peão.

Aí veio aquela lance de amor à primeira vista e como estava perto do meu aniversário, comecei a importunar a minha mamis, implorando que a Lindinha fosse o meu presente. Desde então meu bebê tem me acompanhado.

E assim percorreu comigo o ensino funposso conmental, o colegial e a faculdade. Ela me viu crescer, esteve junto nas mudanças, vestibulares e agora, no meu casamento.

Ahh, só um adendo! Minha mão adora contar que na minha infância vivia dizendo que quando crescesse eu iria dar uma vida de princesa para a Lindinha (casa, comida e roupa lavada)… melhor cama, melhor veterinário, melhor comida, roupas etc… Bom, eu estou cumprindo a promessa!!

No entanto os últimos dias têm sido difíceis, estamos precisando nos adaptar à nova rotina da Dinda. Isso porque, ela foi diagnosticada com Demência Canina, ou seja, ela está com alguns probleminhas cognitivos.
**IMPORTANTE** – Esse foi o diagnóstico da Lindinha, nem sempre cães da idade dela sofrem do mesmo problema, procure SEMPRE um veterinário!

Vamos aos sintomas :(  – Na demência canina o cãozinho poderá ter desorientação, perda de memória, confusão, distúrbios de personalidade, mudanças no padrão de sono, foco do olhar em locais estranhos como nas paredes, latidos e uivos sem sentido ou propósito algum.

Desses sintomas todos, a Lindinha apenas começou a choramingar durante o sono, acordar a noite meio perdida e a vocalizar, vocalizar muito, muito mesmo. Basicamente, a situação se resume em uma cachorra que má-lê-má latia e que de repente começou a esgoelar com uivos e latidos, chegando ao ponto do síndico do prédio tocar minha campainha a 01h:00 a.m.

Daí, nasceram 3 preocupações.
Primeiro a Lindinha é claro! como ajuda-lá?
Depois meus vizinhos, como não perturbá-los?
E, por último, eu e meu marido – como dormir?!!

Faz um mês desde o diagnóstico da Lindinha e ainda estamos tentando nos adaptar a ela, isso envolve de 3 a 4 acordadas durante a noite para tentar fazê-la parar com os uivos e latidos

Desde então, ela vem se medicando com 6 tipos de remédios.
No começamos, achamos que era dor, então o vet. indicou algumas gotinhas de Dipirona, mas logo a dor foi descartada. Graças a Deus ela não sente nada!

Sobraram, então, 5 remédios.
Dois deles são vitaminas, que são quase  impossíveis de dar por causa do exigente paladar da Dinda, sendo eles: o Aminomix Pet e o Condrix Dog 600g.

Para amenizar as disfunções cognitivas ela está tomando diariamente (e para vida toda) o Revimax 50mg.

Para acalmá-la, tentamos o calmante natural – Calmyn Dog, que infelizmente não adiantou e tivemos que apelar para o Acepran gotas.
Confesso que na primeira vez que dei para a Dinda, cai no chororo de ver minha menina dopada. Mas, enfim, pra não termos que dopá-la novamente, estamos correndo atrás de isolamento acústico, na tentativa de manter a Lindinha sem reforço de calmantes, manter minhas 8 horas sagradas de sono intacta e é claro, manter uma convivência pacífica com os vizinhos.

E assim segue a minha pequena família, eu, meu marido e minha old dog. Você tem um cãozinho que passa pelo mesmo? como está tratando os sintomas? se tiver alguma dica compartilha comigo, toda ajuda será bem-vinda!!

Bjo bjo!

Lígia Vasconcelos

*A Lindinha frequenta o VetPet na Alameda Jaú 1773 – Jardim Paulista, São Paulo – SP – (11) 2738-0413, christian@vetepetcenter.com.br.

 

Leave a Reply